Selecione o idioma:

Artigos

Impacto da deterioração do cenário econômico no mercado hoteleiro nacional

Gustavo Moura

Com o início do quarto trimestre, muitos profissionais de hotelaria começam a preparar ou revisar orçamentos para o próximo ano. Devido às mudanças recentes no cenário econômico nacional e internacional, é natural que alguns se tornem mais conservadores em suas projeções. Entretanto, apesar das perspectivas econômicas menos promissoras, espera-se que o ano de 2012 seja ainda bastante favorável à hotelaria brasileira.

É inegável que o cenário econômico está se deteriorando neste final de 2011. Nas últimas quatro semanas, as previsões dos analistas econômicos para as economias americana e europeia se tornaram significativamente mais pessimistas (com muitos inclusive questionando a sobrevivência do Euro), o dólar sofreu forte e rápida valorização frente ao real (passando de R$1,60 a R$1,90 em vinte dias), e o banco central reduziu sua previsão de crescimento do PIB (para 3,5%) e elevou a de inflação (6,4%) em 2011, além de reduzir a taxa de juros mesmo em ambiente inflacionário (assumindo aperto fiscal e possivelmente se antecipando a um desaquecimento econômico futuro). Isso tudo sinaliza aumento das incertezas sobre o futuro próximo da economia mundial, e aumento das chances de um cenário negativo se concretizar.

O Brasil certamente será afetado por um agravamento da crise econômica internacional. Contudo, muito de seu crescimento ainda está associado à dinâmica econômica interna, que apresenta boas perspectivas, na opinião da maioria dos analistas. O país ainda é atrativo para o capital internacional e deve continuar crescendo significativamente em 2012, ainda que a taxas mais reduzidas. Na maioria dos mercados, a oferta hoteleira ainda não deve se expandir expressivamente no próximo ano (embora deva se acelerar nos anos seguintes). A manutenção do crescimento econômico associado ao baixo crescimento de oferta implica dizer que a demanda por hospedagem deve manter sua trajetória ascendente e sustentar as taxas de ocupação em níveis elevados, permitindo, assim, que os hoteleiros possam continuar aumentando as diárias. Caso seja persistente, a virada do câmbio deve ainda favorecer as diárias em real.

Naturalmente, é preciso monitorar o mercado atentamente, devido à chance de mudanças bruscas importantes. Além disso, a inflação alta exige aumentos nominais mais fortes de diária para evitar perdas reais ou gerar ganhos significativos. De qualquer forma, não há motivo para desespero. É possível manter a calma e projetar aumentos de diária acima da inflação e um orçamento para 2012 melhor que o de 2011.